Estado transfere IML de Diadema para São Bernardo e causa reclamação

Movimento na entrada do Hospital Municipal de Diadema, na região do ABC - Rubens Cavallari - 23.abr.20/Folhapress

Movimento na entrada do Hospital Municipal de Diadema, na região do ABC – Rubens Cavallari – 23.abr.20/Folhapress

O único posto do IML (Instituto Médico Legal) de Diadema (ABC) foi desativado e transferido para a cidade vizinha de São Bernardo do Campo pelo governo do estado de São Paulo, gestão João Doria (PSDB), nesta segunda-feira (5), sob alegação de otimização de recursos, afirma a prefeitura da gestão José de Filippi Júnior (PT).

Essa desativação acontece no pior momento da pandemia da Covid-19 no estado, cuja doença bateu recorde ao matar 1.389 pessoas nas últimas 24 horas, segundo boletim da secretaria estadual de Saúde divulgado nesta terça-feira (6).

Diadema, que tem 426.757 habitantes, tinha até esta segunda-feira (5) 20.887 casos confirmados da doença e 834 mortos, de acordo com o último boletim de Covid-19 divulgado na segunda (5). Segundo a prefeitura, só neste ano foram realizadas cerca de 100 autópsias e mais de 700 exames de corpo de delito no local que acaba de ser fechado.

Em nota, a prefeitura petista afirmou ter recebido a notícia da saída do IML com “surpresa e indignação”. “Reforçamos que não fomos comunicados oficialmente dessa decisão unilateral do governo estadual, que também não informou nem passou nenhum tipo de orientação sobre como o serviço será prestado em Diadema a partir de agora”, diz trecho do texto publicado no site da prefeitura.

O presidente da Câmara de Vereadores da cidade, Josa Queiroz (PT), durante uma live gravada na manhã desta terça-feira, engrossou o coro. “Uma situação que não se justifica, que não tem a menor possibilidade de a Câmara Municipal, a prefeitura e a população de Diadema perder esse serviço em nosso município, principalmente no momento em que estamos vivendo agora”, declarou o parlamentar.

A secretaria de Defesa Social da cidade, representada pelo secretário Benedito Mariano, afirma ter entrado em contato com o superintendente da polícia técnico-científica manifestando “total perplexidade pela atitude de tirar o IML sem sequer comunicar ao governo”.

Com o objetivo de manter o IML na cidade, a prefeitura afirma ter enviado uma carta de intenção no início do ano se comprometendo a atender às exigências apresentadas pela SSP (Secretaria Segurança Pública), como um plano de reformas e melhorias no local, dentre outras. “Esperamos que o governo do estado volte atrás na decisão e retome o IML em Diadema”, finaliza a nota.

São Bernardo ficará pressionada, diz prefeitura
De acordo com a Prefeitura de São Bernardo do Campo, gestão Orlando Morando (PSDB), a cidade foi surpreendida pelo anúncio da SPTC (Superintendência da Polícia Técnico-Científica) sobre a transferência dos serviços prestados pelo IML (Instituto Médico Legal) de Diadema para o município.

Ainda de acordo com a administração, essa medida “deverá aumentar a pressão sobre os serviços prestados no local justamente no momento em que o país atravessa a pior fase da pandemia, com números crescentes de óbitos”, diz trecho da nota.

O prefeito tucano também entrou em contato com o vice-governador estadual Rodrigo Garcia (DEM) para tratar do assunto e espera que a medida seja imediatamente revertida.

Resposta
Em nota, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) disse que representantes da classe política de Diadema e da pasta realizarão uma reunião na próxima semana para discutir alternativas de manutenção do IML na cidade. A decisão foi tomada na manhã desta terça pelo governo estadual.