Covas define regras para reabertura de bares e restaurantes na capital paulista

Maria Tereza, dona do restaurante Hibisco, na Vila Olímpia, já colocou divisórias de acrílico e separou as mesas - Ronny Santos/ Folhapress

Maria Tereza, dona do restaurante Hibisco, na Vila Olímpia, já colocou divisórias de acrílico e separou as mesas – Ronny Santos/ Folhapress

O prefeito Bruno Covas (PSDB) assinou neste sábado (4) os protocolos com as regras para reabertura de restaurantes, bares, salões de beleza e barbearias, que voltam a funcionar nesta segunda-feira (6).

Na cerimônia, o presidente da Câmara dos Vereadores, Eduardo Tuma (PSDB), fez um apelo ao governador João Doria (PSDB), para que seja revisto o horário de funcionamento de bares e restaurantes para até as 22h, e não até as 17h, como passa a valer na capital paulista na flexibilização.

“Aqui vou citar dois grandes ramos do setor: pizzarias e restaurantes japoneses, que só abrem no período noturno, vão obrigatoriamente ficar fechados graças à determinação do governo do estado, Por isso a revisão é absolutamente necessária”, disse Tuma. As novas regras liberam os comércios para funcionarem seis horas por dia, com lotação de 40% da capacidade.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Percival Maricato, diz que “metade do setor não vai abrir” com o limite de funcionamento às 17h. “Se a gente fizer a lição de casa, que é cumprir os protocolos, creio que entre duas ou três semanas a gente consiga essa extensão do horário.”

Dono de uma tradicional pizzaria na Vila Mariana (zona sul de SP), Marcio Faustino se queixa do horário. “Acho que a abertura poderia contemplar o horário noturno, seguindo as regras de distanciamento, protocolos sanitários e atendendo apenas com reservas antecipadas”, afirmou Faustino, que teve que aderir ao programa de suspensão e redução de jornada de trabalho para minimizar os efeitos da pandemia.

Salões

Já os donos de salões de beleza e barbearias comemoraram. “A reabertura vai minimizar os prejuízos acumulados pela categoria que está há mais de 100 dias sem trabalho”, disse Márcio Michelasi, presidente nacional do Sindicato Pró-Beleza. Segundo ele, com a volta, clientes e profissionais estarão mais seguros.

Veja as novas regras:

Bares e restaurantes

• Ocupação deve ser limitada a 40% da capacidade máxima

• Mesas terão de ter dois metros de distância entre elas. Já as cadeiras terão de ter um metro de afastamento

• Máximo de seis pessoas por mesa

• O cliente só poderá deixar de usar a máscara quando estiver sentado em sua mesa

• Consumo permitido apenas nas mesas, sempre sentado

• Marcação no piso indicando distanciamento de 1,5 m nos locais em que são formadas filas, como no caixa, buffet, banheiro, entrada e saída

• Disponibilidade de álcool em gel em áreas de uso comum e nos locais de pagamento

• Temperos e condimentos em sachês ou em porções individualizadas diretamente da cozinha a cada cliente

• Os cardápios deverão ser disponibilizados por meio de plataformas digitais (site do estabelecimento, menu digital via QR Code ou aplicativo) ou cardápios de grande porte e visibilidade dispostos nas paredes do estabelecimento

• Disponibilizar formas de pagamento alternativas como transferência bancária e pagamentos por aproximação, que não necessitam contato com o caixa e máquinas de cartão

• Funcionários devem usar viseira de acrílico, além de máscaras e luvas

• Locais precisam ser ventilados. Em ambientes climatizados, o ar-condicionado precisa estar higienizados

• Os comércios poderão funcionar 6 horas diárias, não podendo ficar abertos após as 17h

Salões de beleza, estética e barbearias

• Ocupação deve ser limitada a 40% da capacidade máxima

• Disponibilizar álcool em gel 70% para higienização das mãos e medidas para higienização das solas do sapato, como um borrifador com álcool 70% ou água sanitária, para funcionários e clientes

• Deixar em evidência a indicação de distanciamento mínimo de 1,5 m entre as pessoas

• Aferir a temperatura dos clientes antes de entrar no estabelecimento

• Uso obrigatório de máscaras para clientes e funcionários

• Os atendimentos devem ser realizados, preferencialmente, mediante agendamento prévio, evitando-se filas de espera

• Questionar se o cliente apresentou febre ou sintomas de gripe antes de agendar o horário

• Deixar margem de tempo entre os agendamentos para realizar higienização dos equipamentos

• Os funcionários deverão utilizar touca, máscara reutilizável e óculos de proteção ou protetor facial, gorro, avental impermeável de mangas longas e luvas para tratamentos

• Dois ou mais profissionais estão proibidos de atender o mesmo cliente de forma simultânea

• Deixar os primeiros horários da agenda para pessoas do grupo de risco, como idosos, hipertensos, diabéticos etc.

Maria Tereza, dona do restaurante Hibisco, na Vila Olímpia, já colocou divisórias de acrílico e separou as mesas - Ronny Santos/ Folhapress

Maria Tereza, dona do restaurante Hibisco, na Vila Olímpia, já colocou divisórias de acrílico e separou as mesas – Ronny Santos/ Folhapress

Fonte: Diário Oficial da Prefeitura de São Paulo