Marronzinhos voltam a registrar multas no talão

CET 2Marronzinhos estão desde ontem autuando motoristas com talão de papel porque a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) não renovou contrato com empresa relacionada ao serviço, segundo sindicato da categoria.

A prática de multar com caneta e papel começou a ser abolida há mais de dez anos na capital. Em 2006 a CET já fazia testes para o novo talão eletrônico, que se consolidou no início desta década.

O Sindiviários (sindicato dos trabalhadores em transporte de São Paulo) diz que a empresa responsável pelo papel das impressoras portáteis usadas pelos marronzinhos suspendeu o fornecimento anteontem.

Agora, segundo a entida­de, agentes de trânsito têm que anotar, com caneta, no talão, autuações como esta­cionamento proibido, trans­gressão à Zona Azul e desres­peito ao rodízio ou ao farol.

Segundo o sindicato, o tempo de processamento da infração na CET deve aumen­tar para até quatro dias com a multa manual. Pelo meio eletrônico, esse tempo era menor que um dia. Conse­quentemente, a notificação ao motorista deverá demorar mais para chegar em casa.

Para o presidente do sindi­cato, Reno Ale, apesar da mudança, “os profissionais estão habituados com as duas formas de trabalhar”.

Em setembro, a gestão Do­ria anunciou que, “por mais segurança no trânsito”, iria orientar agentes a multar mais uso de celular, falta de seta e desrespeito a ciclistas, a pedestres e a semáforos.

Agente de trânsito diz que canetada no papel é ‘retroceder no tempo’
No estacionamento rotati­vo do Mercadão, na Sé (re­gião central), um marronzi­nho multava infratores de forma manual, ontem. “In­felizmente, estamos retroce­dendo no tempo”, afirmou ele, que preferiu manter o anonimato. “A empresa sim­plesmente avisou que o con­trato foi encerrado e pediu para gente utilizar o talãozi­nho”, afirmou outro agente.

Na rua Cavalheiro Basílio Jafet, perto do Parque Dom Pedro 2º, uma agente conta­va quantas folhas ainda res­tavam no bloquinho de 30 – ela havia acabado de au­tuar um veículo estacionado irregularmente. “Meu desejo é que isso se solucione o mais rápido possível. Meus pulsos agradecerão”, afir­mou a profissional. “O número de autuações cairá cerca de 40%”, calcu­lou outro agente.

O portal Mobilidade Segu­ra, gerido pela prefeitura, re­gistrou quase 2 milhões de multas manuais somente neste ano.

Resposta
Questionada sobre o caso (detalhes do contrato, quais multas estão envolvidas e se haverá nova licitação), a ges­tão Doria respondeu assim: “A forma de registro das in­frações de trânsito não inter­fere na rotina de trabalho dos agentes de trânsito. A fiscalização continua sendo feita normalmente”.