Agosto é o mês do desgosto?

Personal accounting

Certamente você já ouviu a crença popular de que agosto é o “mês do desgosto” ou do “cachorro louco”. Verdade ou não, coincidências ou não, o “patinho feio” do calendário tem um histórico de episódios trágicos que fortalecem o “pé atrás” dos supersticiosos de carteirinha e também daqueles que não acreditam muito em negatividade, mas diante de uma escada na calçada, optam naturalmente por não passarem por baixo dela e se cruzarem com gato preto na numa sexta-feira não dispensam uma oração ao anjo da guarda com pedido de proteção.

No Brasil, herdamos a tradição de associar agosto com má sorte dos nossos colonizadores portugueses. Durante o século 16, este era o mês em que as caravelas partiam em grandes expedições. Como muitas não voltavam, as portuguesas evitavam casar nesta época por medo de ficarem viúvas pouco depois, daí a expressão “casar em agosto traz desgosto” que acabou virando “agosto, mês do desgosto”.

A fama de mês agourento cresceu no país graças a acontecimentos como as mortes de Marechal Theodoro da Fonseca e de Juscelino Kubitschek, o suicídio de Getúlio Vargas e a renúncia de Jânio Quadros.

Mas águas passadas não movem moinho, não é? Será que associar o mês ao “tinhoso” não é demasiado exagero? Afinal, todos os meses do ano são propícios a acontecimentos bons e ruins. Agora, estar certo de que agosto é mais atraente para “desaventuranças” do que os outros meses é o mesmo que tentar provar que deixar o chinelo virado é realmente responsável por todas as mortes de mães do planeta.

De acordo com a numerologia, o número 8 representa o resultado prático do que cada um produz durante a vida, por isso ele é tão radical. A ciência que estuda os números e sua influência sobre a vida das pessoas ajuda a desmistificar as crenças negativas relacionadas ao mês e dá uma visão, pautada na numerologia, bem diferente das que estão calcificadas no imaginário popular.

Representado pelo número 8, número do movimento e que simboliza o infinito na horizontal, agosto nos traz o clima forte, um sol brilhante, uma luz irradiante e, com esta energia, muito mais sucesso em tudo o que empreendermos. É o mês adequado para o plantio de nossos pensamentos mais desejados. Em outras palavras: precisamos ter a sabedoria para plantar corretamente pensamentos e atitudes em agosto. A vida se resume em plantar e colher.

A verdade é que o que nos acontece no mês de agosto, tem a força da nossa forma de lidar com a vida. Se alguma coisa não acontece como gostaríamos ou se acontecem fatos desagradáveis, pode ter certeza não foi pelo mês de agosto. Lembre-se: Quando é para ser, o destino dá um jeito.

A crendice também está caindo por água abaixo quando o assunto é casamento. Segundo especialistas, agosto está se tornando um dos melhores meses para casar por conta das promoções e preços baixos usados para atrair o consumidor. O mês, que costumava registrar menor número de uniões civis por conta da superstição, perdeu lugar para janeiro e fevereiro.

Portanto, que tal mudarmos a crendice e tratarmos o mês como um mês de “gosto”, de energia positiva, de sorte e de boas notícias? Surpreendentemente, vocês verão essas coisas boas acontecerem, porque o que tudo o vivemos é produzido por nós mesmos.

Já que o poder da mente opera milagres e estamos em agosto, mês tão estigmatizado, que tal colocar nosso pensamento no modo “positivo” para desmistificar tudo isso e construir magníficas recordações desse mês especial? Permita-se ser surpreendido. Feliz mês de agosto para você!

Revista Condomínios & Residências 

agosto/2017