Mulher reclama de atraso no agendamento de exame médico

EXAMEA demora na marcação de um exame de cintilografia do miocárdio no Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, está preocupando a dona de casa Mariana Szpakowski, 30 anos.

Diagnosticada em 2016 com problema cardíaco chamado aterosclerose, a moradora de Diadema foi encaminhada em setembro do mesmo ano por um cardiologista do Ame (Ambulatório Médico de Especialidades) de Santo André para realização do exame no único hospital da região que realiza o exame pelo SUS, porém até agora o exame não aconteceu. “Eu acho puro descaso, pois meu caso é urgente e ninguém me da uma posição”, reclamou Mariana, que depende do exame para dar início ao tratamento.

A doença só foi descoberta pela jovem após começar a praticar artes marciais em uma academia. “Comecei a ter mal-estar durante os treinamentos de muay thai e resolvi procurar um médico para saber o que estava acontecendo comigo”, contou.

Impossibilitada de realizar esforço físico, Mariana está atualmente desempregada. De acordo com a jovem, o valor do exame feito em uma clínica particular custa R$ 1.500. “É muito dinheiro. Infelizmente não estou podendo gastar essa quantia no momento”, revelou.

Outro lado
Por meio de nota, a Secretaria de Saúde do governo do Estado de São Paulo informa que a paciente Mariana Szpakowski faz acompanhamento na unidade e vem recebendo todas as orientações necessárias durante o tratamento. O texto diz ainda que ela realizou recentemente um ecocardiograma e que o exame de cintilografia no miocárdio está agendado para o 2 de maio.

Às 17h37 desta quinta-feira (06/04), o jornal ABCD MAIOR conversou por telefone com Mariana para saber se alguém havia entrado em contato para informá-la sobre o agendamento do exame para 2 de maio, porém a jovem alegou que não. Mariana aproveitou a ocasião para agradecer a informação. “Tenho certeza que foi por conta do ABCD MAIOR que eu consegui o agendamento. Eu poderia morrer sem ter feito o exame”, contou.