Conheça os ‘caça-fantasmas’ do ABCD

caca fantasmas santo andre_rodrigo pinto (6)Joel Zia, 61 anos, é economista de formação. Mari Degiovanni, 55 anos, atua como terapeuta holística. Moradores de Santo André e casados há mais de três décadas, o casal fundou em 2009 o NEAP (Núcleo de Estudos de Atividades Paranormais), grupo formado por investigadores e interessados em todos os fenômenos que envolvem espiritualidade, mediunidade e paranormalidade. Hoje, são conhecidos nacionalmente como “caça-fantasmas”.

Diferente de Ghostbusters, filme norte-americano sucesso de bilheteria nos anos 1980, que conta a história de quatro parapsicólogos que saem às ruas de Nova York em busca dos fantasmas que aterrorizam a cidade, o NEAP não captura espectros. O grupo identifica fenômenos paranormais ou desmistifica eventuais fraudes com ajuda de aparelhos eletrônicos que medem e registram tais fenômenos. Zia conta que o grupo já investiu aproximadamente R$ 25 mil reais em equipamentos, alguns vieram do exterior.

“Nosso interesse por fenômenos sobrenaturais surgiu quando resolvemos estudar a cultura xamânica como forma de relaxamento. Participamos de alguns grupos, tivemos acesso a estudos e equipamentos, além de experiências sobrenaturais”, contou Zia.

Voz dentro do guarda-roupa
Um dos casos mais emblemáticos para o casal ocorreu em São Bernardo há alguns anos. Na ocasião, a dupla de parapsicólogos atendeu ao chamado de uma mulher que afirmava que sua residência era regida por forças sobrenaturais. “Ao abrirmos o guarda-roupas durante investigação, uma voz pediu para gente ir embora. Foi de arrepiar”, recordou Zia.

Ainda de acordo com o economista, o mal estava em uma estátua que a proprietária do imóvel havia colado em um dos cômodos. “Toda energia negativa provia da escultura um deus. Após identificarmos o foco, realizamos a limpeza da casa e o espírito foi embora para alívio da moradora”, acrescentou. Os serviços prestados pelo NEAP são de forma voluntária.

Espírito em Paranapiacaba
Já a aparição do espírito de uma garotinha morta há muitos anos no distrito de Paranapiacaba marcou a vida de Mari. “Estávamos à noite estudando fenômenos por lá quando nos deparamos com o fantasma de uma criança. Era um espírito bom. Ficamos nos comunicando por horas e horas por meio dos aparelhos”, contou.

Joel Zia explica que o ABCD é propício ao surgimento de fenômenos paranormais. “O solo da nossa Região é composto por muito calcário. Esse tipo de material atrai energia do universo”, garante o economista.

A terapeuta holística conta que os amigos já se acostumaram com o hobby do casal de “caçar fantasmas”. “Pessoal acha engraçado. Muitos até elogiam, dizendo que somos corajosos”, revelou Mari.

Quer ser também um “caça-fantasma”? Zia aconselha: “Abra sua mente em primeiro lugar. Tenha a plena consciência de que existem outras forças na natureza. Não estamos sozinhos nesse mundo”, afirmou.