Temporais mataram sete desde janeiro em São Paulo

CHUVAAs chuvas que atingiram a cidade de São Paulo desde o início do ano já mataram sete pessoas. As duas últimas mortes aconteceram durante a tempestade de anteontem à noite, uma em São Mateus (zona leste) e outra na Cidade Dutra (zona sul). As duas vítimas eram moradores de rua.

Na zona sul, Alex David da Silva, 36 anos, e mais cinco pessoas estavam em um barraco no canteiro central da avenida Atlântica, na altura do número 6.000, quando uma árvore caiu e os atingiu.

Segundo os bombeiros, 60 árvores caíram na cidade entre a noite de anteontem e a madrugada de ontem.

Gelson Santos, 64 anos, foi um dos sobreviventes e relata os momentos de terror. “Foi um vento tão forte que a árvore caiu sobre nosso telhado quebrando tudo. Alex foi atingido na cabeça e pedia muito para não deixá-lo morrer, mas infelizmente nada pude fazer”, disse.

Segundo Yali Aparecida, 46 anos, que também estava no barraco e sofreu escoriações, Silva não morava no local. Ele tinha ido se encontrar com a namorada no momento do temporal. “Ele sempre estava aqui com a gente. A namorada só escapou porque saiu do barraco minutos antes”, contou.

Em São Mateus (zona leste), o morador de rua Júlio César Vieira dos Santos, 26, morreu atingido por um raio. Ele estava em uma casa construída numa árvore, em praça na av. Ragueb Chofi. No temporal, o raio atingiu a árvore. Outros três homens que estavam com Santos sofreram ferimentos leves.

Estragos

Além de quedas de árvore na capital, o temporal causou alagamentos na Grande São Paulo. O corredor ABD ficou alagado entre as cidades de São Bernardo do Campo e Diadema. Segundo os bombeiros, carros foram arrastados pela água e equipes resgataram pessoas ilhadas. No Jardim Peri (zona norte), moradores protestaram contra enchentes e foram repreendidos pela PM com bombas.