Saiba como identificar uma sobrecarga elétrica

SOBRECARGA 2 OKA simples casa composta por geladeira, fogão, chuveiro elétrico, microondas e televisão está ultrapassada. Os tempos mudaram assim como a quantidade de equipamentos eletrônicos plugados 24 horas por dia em tomadas de milhares de residências espalhadas pelo Brasil. Por conta disso, precisamos estar atentos em relação à sobrecarga elétrica, problema silencioso, mas que pode trazer dor de cabeça no futuro.

A sobrecarga elétrica é o excesso de equipamentos eletroeletrônicos conectados a uma rede elétrica ao mesmo tempo. Hoje, todo novo imóvel deve ser entregue ao proprietário com a rede elétrica projetada para suportar essa grande demanda de energia. Já a edificação antiga, que não foi planejada para receber tal carga extra, necessita passar por uma readequação. Mesmo assim, ambas ainda estão vulneráveis ao problema.

Nós, brasileiros, temos o hábito de ligar mais de um aparelho na mesma tomada. A famosa “gambiarra”. Na cozinha, microondas e geledeira. Na lavanderia, máquina de lavar e secadora. Na sala, televisão, DVD e videogame. No quarto, computador, impressora e o modem travam literalmente uma disputa “eletrizante”. Para conectarmos tudo isso, fazemos uso de adaptadores de tomada, plugues T, extensões ou benjamins. O uso inadequado desses itens compromete a fiação, ocasionando desgaste dos fios, curtos-circuitos, desperdício de energia, queima de equipamentos, choques elétricos e até incêndios. Para evitar danos, aprenda a identificar sinais clássicos de sobrecarregada e saiba como agir.

 Sinais de sobrecarga

SOBRECARGA 1 OKDisjuntores: o desarme dos disjuntores é o primeiro sinal de que há algo de errado acontece em sua residência. Esses dispositivos foram criados exatamente para interromper a passagem da corrente elétrica ao menor sinal de sobrecarga. Eles têm a mesma função de um fusível, mas a diferença é que o fusível queima, o disjuntor basta rearmá-lo.

Luz: a redução da luminosidade no momento em que se liga um aparelho de grande potência é mais um sinal de sobrecarga. Procure comprar eletrodomésticos e eletrônicos com intensidade de corrente elétrica compatível com a residência.

Fios ou cabos: condutores elétricos com cheiro de queimado, ressecados ou com rachaduras também merecem atenção. Caso isso aconteça, é provável que a instalação elétrica esteja inadequada para as atuais necessidades de consumo.

Como agir?

SOBRECARGA 3 OKA maneira mais segura e econômica é a prevenção. Nunca espere algo mais grave acontecer para buscar o serviço de um eletricista ou engenheiro elétrico. Somente esse profissional habilitado terá a permissão para efetuar manutenção, reparo ou dimensionamento da rede elétrica. Um dimensionamento bem feito estabelecerá a carga elétrica necessária para a instalação de tomadas, pontos de luz, chuveiros, geladeira, ferro elétrico, máquina de lavar e microondas.

Caso seja necessário o aumento na demanda de energia, um profissional credenciado pelo Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) deverá ser contratado para desenvolver o projeto de acréscimo de carga, que precisará ser protocolado e aprovado pela concessionária de energia elétrica.

Evite a utilização de adaptadores de tomada, plugues T, extensões ou benjamins. Eles podem triplicar a corrente e sobrecarregar o circuito. No entanto, caso seja inevitável, preste atenção à corrente elétrica máxima suportada pela tomada e conecte apenas equipamentos de baixa potência, como luminária, rádio relógio, TV ou aparelho de DVD.

Fique atento para essas dicas importantes e garanta a segurança de seu imóvel e de sua família.

Revista Condomínios & Residências

janeiro/2016